Como Escolher um Extintor de Incêndio

A selecção dos extintores de incêndio deve ser efectuada tendo por base o risco a proteger, cuja avaliação deve ter em consideração o tipo e quantidade de material combustível existente no local, de acordo com o quadro abaixo:

Combate a incêndios

Extintores de Pó ABC

Os extintores de pó químico contêm pó químico seco. Estes tipos de extintores são muito comuns, dado que este agente extintor é indicado para todas as classes de fogos, com excepção da classe F. Porém, convém sempre conhecer a classe de fogos com que nos deparamos, pois cada classe é diferente de qualquer outra.

 

Extintores de CO2 2 e 5Kgs

Este tipo de extintores contêm dióxido de carbono em estado liquefeito e armazenado sob pressão. No recipiente, o dióxido de carbono encontra-se a uma temperatura ambiente de 18ºC, porém, ao vaporizar-se, sob a forma de “neve carbónica”, atinge temperaturas negativas de -78ºC.

A projecção do agente extintor obtém-se pela pressão criada no interior do recipiente. Esta tensão advém do vapor do próprio agente extintor. Tenha em atenção a temperatura negativa alcançada pela chamada “neve carbónica”. Poderá sofrer queimaduras graves se o jacto dos extintores contra o incêndio for mal direccionado.

 

Extintores de Água

Os extintores à base de água mais comuns são constituídos por recipientes recarregáveis. Estes recipientes possuem, geralmente, uma capacidade de seis a nove litros, com os quais podemos projectar a água em jacto ou pulverizada.

 

Carreteis de combate a incêndio com mangueira 20 e 25 mts

O carretel, também conhecido por boca de incêndio armada, é um equipamento de combate a incêndios que é constituído por uma mangueira acondicionada num tambor e por uma agulheta, estando na maioria dos casos protegido por um armário.

É um equipamento que existe dentro de edifícios e que permite facilmente combater um incêndio quando este ainda está numa fase inicial.

O carretel é regra geral ligado à rede pública de abastecimento de água, uma vez que na maior parte dos casos utiliza a água como agente extintor.

 

Hidrantes exteriores

– Marcos de incêndio (hidrantes de incêndio de coluna) para colocação acima do solo;

– Bocas de incêndio de fachada (ou de parede), para embutimento mural;

– Bocas de incêndio enterradas (ou de passeio), para colocação sob os passeios ou outros pavimentos.

Mantas abafa fogo

Uma manta ignífuga ou manta abafa fogo é um dispositivo de segurança concebido para extinguir pequenos focos de incêndio, na primeira fase de combate.

As mantas corta fogo são utilizadas para cobrir peças de vestuário, equipamentos e líquidos em chamas.

Sistemas automáticos de extinção de incêndio

Equipamentos, onde o mecanismo de extinção por arrefecimento é obtido recorrendo essencialmente a água e a dióxido de carbono, pelo estado físico destes agentes extintores e pela sua capacidade de absorver grandes quantidades de calor. Destes agentes extintores, dá-se preferência à água, pela sua maior disponibilidade e menor custo, mas também pela sua facilidade de armazenamento, de transporte e de aplicação. De notar que a água não é um agente extintor de aplicação universal, não sendo aconselhável em fogos em equipamentos eléctricos e fogos da classe D. A água é usada na extinção de incêndios essencialmente no estado líquido sob a forma de jacto, chuveiro (água pulverizada), nevoeiro (água finamente pulverizada) ou, mais raramente, sob a forma de vapor de água.

Sprinklers

Os sistemas de extinção por sprinklers ou também conhecidos por sistemas fixos de extinção automática por água , consistem numa rede de pequenos “aspersores”, afixados ao nível do tecto e/ou coberturas dos edifícios, que são activados individualmente pelo calor, estando ligados a uma rede de tubagem com água pressurizada. Quando o calor do fogo aumenta a temperatura do sprinkler até o seu ponto de operação, a ampola que contém um líquido com alto coeficiente de expansão, rebenta, permitindo assim a descarga de água directamente no foco do incêndio.

Centrais de bombagem

Sistemas destinados à elevação de água sob pressão de modo a garantir que toda a rede de abastecimento de água para serviço de incêndio tem a pressão e o caudal necessários, sendo obrigatoriamente constituídas pelos seguintes elementos:

Bomba Principal

 Destina-se ao fornecimento de água sob pressão para combate a incêndios, podendo existir mais do que uma bomba, como reserva ou como reforço. Esta bomba pode ser accionada por um motor eléctrico (electrobomba) ou por um motor diesel (motobomba)

Bomba Auxiliar (também designada por bomba Jockey)

Normalmente é uma bomba de caudal inferior ao da bomba principal, accionada por motor eléctrico, tendo como finalidade repor a pressão estática na rede de incêndio devido a pequenas fugas de água no sistema de bombagem, evitando que a bomba principal arranque devido a pequenas perdas de água não relacionadas com um incêndio.

Quadro de Comando e Protecção das Bombas

Dependendo do sistema em questão, deverão existir: – Um quadro de comando e protecção para a bomba principal e auxiliar – Um quadro de comando e protecção independente para cada bomba de reserva ou de reforço

Válvulas e Acessórios

Tripés

Pás

Baldes de areia